Open Source: entenda o que é e como funciona

Computador com linhas de código-fonte na tela

O open source é uma das formas colaborativas de desenvolver um software que vem se popularizando entre os programadores. A alternativa possibilita a criação e modificação por meio de um código inicial disponibilizado para uso livre de seus usuários. 

Essa inovação do mundo dos softwares pode facilitar não apenas o desenvolvimento de programas, mas também a gestão de diversos negócios, graças a plataformas de administração com código aberto que tornam a produtividade ainda maior. Quer saber mais sobre esse termo? Então, confira a seguir!

Conceito

Em sua tradução para o português, o termo significa código aberto. Ou seja, o desenvolvedor disponibiliza seu programa para que seja utilizado livremente por outras pessoas e estas possam acessar o código que foi criado para a plataforma. 

Dessa forma, quem busca facilidade pode visualizar um código-fonte e utilizá-lo para criar novas aplicações, sugerir melhorias após entender seu funcionamento e identificar falhas tanto para serem corrigidas no código original quanto em sua nova versão. 

O principal ponto dessa tecnologia não se trata de sua gratuidade, e sim da colaboração entre os programadores. Juntos, eles podem ajudar uns aos outros e criar ainda mais softwares para a comunidade, em que os iniciantes podem se sentir mais seguros em utilizar códigos base para seus estudos e criações. 

Origem

O termo open source foi criado em fevereiro de 1998, durante uma reunião de profissionais que se tornaram referência no assunto. Entre eles estão Eric Raymond, Todd Anderson, Larry Augustin,  Jon “Maddog” Hall, Chris Peterson e Sam Okman. 

Em um contexto geral, na época, as pessoas estavam interessadas na forma de licenciamento que estava surgindo com o movimento Free Software, mas buscavam criar algo novo com suas próprias ideias e serem representadas de forma independente ao movimento.

Foi durante uma reunião sobre a disponibilização do código-fonte do navegador da Netscape que Todd Anderson usou o termo — criado por Chris Peterson — pela primeira vez. Depois disso, o nome foi aplicado por outras instituições com a editora O’Reilly, que trocou o nome de seu evento para incluí-lo no título.

Open Source Initiative

Os criadores do termo também fundaram a Open Source Initiative, uma organização que se dedica à promoção do uso do código aberto, além de analisar as licenças que se adequam ao modelo de software livre e defender as vantagens de utilização desse sistema. 

Também chamada de OSI, a instituição analisa os softwares do ponto de vista técnico e acredita que softwares livres apresentam mais qualidade, além de serem mais benéficos financeiramente a longo prazo. 

Open Source X código livre X fechado

O código livre é o oposto do que é aplicado em softwares com programação fechada, as quais não podem ser acessadas ou modificadas por seus usuários. Por sua nomenclatura, a ambiguidade se dá no significado de liberdade de acesso e de gratuidade, visto que a palavra em inglês “free” pode denotar ambos. 

Por isso, a OSI buscou outro nome para o movimento de códigos abertos, personalizáveis e adaptáveis ao que cada programador deseja. Como forma de organização, foram definidos dez critérios para que os softwares sejam distinguidos como open source:

  1. Ter distribuição livre; 
  2. O código-fonte deve ser disponibilizado e ser entendido por qualquer programador;
  3. A licença deve permitir que outros trabalhos sejam derivados do original;
  4. Os trabalhos derivados podem ser identificados de formas diferentes dos originais de acordo com o que a licença pede;
  5. Não discriminar pessoas e grupos;
  6. Não discriminar a finalidade de utilização;
  7. A distribuição livre deve ser aplicada nos programas derivados com os mesmos direitos da licença do código original;
  8. A licença não especifica um produto só, ou seja, o software todo precisa ser distribuído;
  9. A licença não pode restringir programas que são distribuídos com programa principal;
  10. A licença deve ser neutra em relação às tecnologias utilizadas nas novas derivações.

Benefícios de utilização

A primeira vantagem para quem escolhe se aventurar com os códigos abertos é a economia. Esses softwares não possuem valor para serem utilizados, então, os programadores podem desfrutar sem pagar nada durante os anos em que estiverem trabalhando em ajustes e desenvolvendo sua nova versão. 

Mais do que poder visualizar o código, esse sistema permite que o usuário faça as modificações necessárias para customizar seguindo o novo objetivo do programa. Assim, cada um pode criar diferentes aplicações a partir de uma mesma base inicial e, inclusive, comercializar sua versão no futuro.  

Os desenvolvedores primários dos códigos também saem em vantagem pela colaboração de quem os utiliza. Afinal, eles podem receber ideias disruptivas que não haviam pensado, corrigir falhas e acrescentar outras funcionalidades a partir das sugestões de quem está usufruindo de sua criação. 

Exemplos de programas em código aberto

Agora que você sabe o que é open source, já pode identificar exemplos ao seu redor. Se você tem um celular e navega pela internet, provavelmente já teve contato com diversos programas que foram desenvolvidos a partir de um código aberto. Um exemplo de aplicação é o WordPress para criação de sites e blogs gratuitos. 

Linux

O Linux, criado pelo programador Linus Torvalds, é o maior exemplo do código aberto. O sistema operacional foi originado a partir do Minix, uma versão alternativa criada por ele enquanto estava na faculdade. 

Atualmente o Linux pode ser executado, modificado, estudado e compartilhado por milhares de usuários que contribuem para a melhoria do sistema. A facilidade de acesso, segurança e rapidez nas atualizações são destacadas como vantagens de uso. 

Chromium

O Google desenvolveu o projeto Chromium, uma base do navegador Google Chrome em código aberto para ser utilizada por empresas de tecnologia. O objetivo é que diversos desenvolvedores promovam novas aplicações e melhorias para que mais pessoas possam utilizá-lo. 

O Chromium também é um navegador que, por estar em fase de implementação por diversos profissionais, pode apresentar falhas notáveis por seus usuários. Por isso, aos poucos, novas funcionalidades são corrigidas e seu funcionamento poderá ser melhor.

Android

O Android também é um sistema de código aberto que é distribuído aos fabricantes e desenvolvedores independentes que fazem adaptações para diversos dispositivos.

A versão do Android pura, sem modificações de terceiros, foi programada pelo Google e apelidada como Vanilla, podendo ser utilizada com personalização para os diferentes hardwares onde é aplicada. 

Saiba mais sobre inovação tecnológica

O open source traz ainda mais facilidade para quem tem seu próprio negócio e precisa escolher boas ferramentas de gestão, por isso, agora que já conhece o conceito, busque novas alternativas para sua empresa. E se gostou desse assunto, que tal ler sobre a importância da inovação tecnológica no e-commerce?

Gostou? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Baixe gratuitamente nosso e-book sobre logística no e-commerce e saiba mais sobre o assunto

CONTEÚDOS RELACIONADOS

MAIS CONTEÚDOS