Saiba como fazer o controle de estoque com RFID

controle de estoque com rfid

Manter o estoque organizado e fazer a gestão de forma correta é essencial para que você economize tempo e não cometa erros que possam afetar o funcionamento do seu negócio. Por isso, o controle de estoque com RFID está sendo cada vez mais utilizado.

Existem vários modelos de gestão de estoque, e a escolha deve ser feita a partir do que se adequa à forma de organização da empresa, já que há a fase de adaptação do processo, que deve ser benéfica, sem dificultar o entendimento dos colaboradores.

Como funciona o controle de estoque com RFID?

O controle de estoque é ainda mais importante do que saber o que entrou e saiu do sistema da empresa. Afinal, sem as inserções de informações corretas e completas, pode haver um desencontro de informações e gastos extras que poderiam ser evitados.

O sistema RFID (sigla para “Radio Frequency Identification”) utiliza uma tecnologia de radiofrequência por meio de etiquetas inteligentes com microchip que ficam nos produtos. Essas etiquetas apresentam informações como peso, código de barras, data de fabricação e de vencimento dos itens e muito mais.

A facilidade dessa gestão acontece por meio do seu sistema, que conta com uma antena, um receptor e as tags que contêm os dados que são lidos e transmitidos entre si. Nesse processo, o receptor faz a leitura transformando as ondas de rádio nas informações armazenadas.

Radiofrequência  

A origem desse sistema de controle de estoque com RFID vem da Segunda Guerra Mundial. Durante o conflito histórico, o exército e a marinha precisavam identificar os alvos no céu, na terra e no mar. Para isso, países mais desenvolvidos, como Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e Japão, usavam sistemas de radares.

O radar identificava os alvos e os aviões que estavam se aproximando, facilitando o ataque e o planejamento da defesa antes que fosse tarde demais. No entanto, o problema nesse sistema era sua simplicidade, que não distinguia aviões aliados e inimigos.

Apenas em 1937, o físico escocês Robert Watson-Watt criou uma nova extensão para essa tecnologia, chamada Identification Friend-or-Foe, trazendo a identificação que faltava para o primeiro sistema de radiofrequência com essa funcionalidade.  

Etiquetas RFID

A etiqueta RFID pode ser passiva ou ativa, sendo que a primeira já vem com os dados gravados de forma permanente desde o momento de sua aplicação e apenas algumas podem ser regravadas. No segundo modelo, há a possibilidade de maior armazenamento e de utilização de uma bateria própria.

Essas etiquetas podem ser feitas de plástico, como PVC e PET, ou de papel com um material (prata ou alumínio) que conduz a tecnologia como se fosse uma antena. Elas são encontradas em diversos formatos que se adequam ao item em que são colocadas. 

Alguns exemplos do seu uso são as tags de plástico colocadas nas caixas e pallets de transporte do lote; os adesivos colocados em produtos para que os clientes tenham informações complementares; as etiquetas de tecido de roupas para sua identificação nas lojas; os cartões de acesso de veículos e pessoas em prédios.

RFID X código de barras

No código de barras, todos os códigos são iguais para o mesmo tipo de produto. Por exemplo, no supermercado, para facilitar a identificação no caixa, o sistema lê o mesmo número em todos os detergentes da marca escolhida pelo cliente. Esse número só apresenta o nome do produto e o valor dele.

O RFID se difere por ser mais completo, tendo mais informações, formatos diferentes e geralmente não ser utilizado em produtos de baixo custo, já que a tecnologia ainda é mais cara. Nesse sistema, o mesmo produto pode ter números seriais, em que todos se diferenciam e podem ser localizados individualmente.

O que pode acontecer sem uma gestão de estoque?

Quando a loja fica sem o gerenciamento de estoque, não há um controle da entrada e saída de produtos. Podendo dificultar a contagem, a reposição dos itens na quantidade certa e as contas podem não ficar claras. 

É essencial que o empreendedor entenda como fazer a gestão do estoque e que sua equipe responsável tenha consciência do funcionamento de cada etapa. Afinal, os processos são técnicos e funcionam em conjunto. 

Sem a devida organização e comunicação dos dados, maiores problemas podem acontecer, como desvio e furto de mercadorias, venda de produtos fora do estoque, fora de validade e danificados. Evite tais situações usando o controle de estoque com RFID.

Quais são as vantagens de usar o controle de estoque com RFID?

A gestão de estoque com esse sistema traz mais facilidade para a empresa. Com a identificação por etiquetas, um sensor faz a contagem dos produtos em um tempo menor do que seria feito manualmente e não há necessidade de fazer o inventário parcial. 

Caso tenha mais de uma antena para esse processo de radiofrequência, é possível até ter um relatório mais completo de todas as movimentações das mercadorias que estão armazenadas. Isso evita erros comuns em estoques que não fazem a contagem dos produtos e controlam suas saídas. 

Além disso, no sistema de controle de estoque com RFID, as etiquetas podem ser lidas de longe, rastreadas durante o trajeto até o armazém e durante a entrega, otimizando a logística das empresas. Por essa praticidade na leitura, não há a necessidade de abrir cada caixa individualmente para checagem comum. 

Saiba mais sobre gestão de e-commerce

Depois de entender como funciona o controle de estoque com RFID, já pode se planejar para utilizar essa tecnologia em seu negócio. Se você ficou interessado por esse assunto, leia também nosso artigo sobre gestão de e-commerce.

Gostou? Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Baixe gratuitamente nosso e-book sobre logística no e-commerce e saiba mais sobre o assunto

CONTEÚDOS RELACIONADOS

MAIS CONTEÚDOS